o grito de 2020

Objekt

Titel

o grito de 2020

Beschreibung

Quando tudo começou aqui no Brasil e teve aquele comecinho de casos que saltou de 25 para 72 e foi indo 100 e na outra semana para 200 e ao mesmo tempo incessantemente na tv as noticias da Ítália com número diários de 700 mortes por dia , meu coração acelerou , tive medo por mim e pela minha mãe , nós somos profissionais da enfermagem , tive medo pelos que eu amo , sempre sonhei em viver muitas coisas na vida , trabalhar no futuro com causas humanitárias na minha área , eu lembro que quando tinha uns 15 anos e pensava em escrever um livro eu pensava : Nossa as gerações passadas viram guerras , ditaduras , epidemias , a minha geração não viu nada que entrará para a história . Naquele começo de pandemia aqui , senti muito mais medo do que orgulho , o orgulho que pensei que sentiria ao viver algo histórico e tão dificil. Passados 3 meses do inicio , já vivi vários sentimentos da pandemia , chorei no começo de medo , por saber o que viria , vi colegas de profissão que atuam na área há 20 anos com muito medo , me lembro que um dia desses , fui dormir na casa da minha mãe , eu tinha saído da casa 1 mês antes da pandemia , enfim fui dormir lá pra fazer companhia pra ela , me lembro que naquele dia sonhei com um primo que se matou uns 5 anos átras e recebi a noticia pelo celular pela minha mãe enquanto estava indo para estágio de enfermagem , eu não era muito próxima a ela mas senti muito , principalmente porque na época em que ele se matou eu estava com depressão , naquele sonho ele aparecia tão bonito , sorrindo , estava na cozinha da casa da minha mãe e ele falava que ia ficar tudo bem , foi tão real , acordei chorando e gritando e minha mãe falou pra eu ir pra cama dela , acabei indo , e ela me disse que sentia falta que eu morasse com ela. Eu poderia dizer que oficialmente a pandemia começou ali fortemente na minha vida, outro momento importante foi a aproximação que tive com minhas colegas de apartamento , estavamos morando juntas há 2 meses e não conversavamos direito , conheci suas histórias , um pouco delas , conheci um pouco da cultura delas , uma delas é chinesa e falou bastante de como é o país , eu ensinei girias do Brasil pra ela , outro momento foi o de visitar a minha mãe e ela me contar bastante sobre momentos da vida dela , coisa que não acontecia quando moravamos juntas , me lembro quando trabalhei na infectologia pela primeira vez e vi que os pacientes ficavam isolados em quartos , entrei para o leito para conhecer meu paciente e realizar os sinais vitais , era um senhor de uns 70 anos consciente e orientado mas tinha o covid e digamos que estava na fase leve, ele estava sózinho , o quarto não tinha tv , nem revista ou ao menos um celular , não sabia ler e nem escrever e não fazia nada naquele quarto , apenas o que tinha para fazer no quarto era olhar apara aquelas paredes amarelas, também teve o momento em que uma colega que trabalha comigo , que tomavamos café juntas , iamos juntas de metro , conversavamos o dia inteiro , e ela pegou covid , quando isso aconteceu deu mais um choque , eu trabalho na internação mas quando fui fazer plantão na uti, um setor que sempre tive vontade de trabalhar mas apenas consegui trabalhar agora porque tinha inúmeros funcionários afastados , aquele cenário com tanta gente entubada a minha volta , tantas bombas , mexeu muito comigo , outro momento foi a raiva de sair de alguns plantões e ver tanta gente fazendo churrasco , levando na brincadeira tudo que está se passando , tratando a quarentena como férias , enfim a covid me despertou muitos sentimentos. Hoje com 27 anos posso falar que minha geração viu bastante coisa , lutei contra uma depressão durante anos e venci , achei que essa seria a grande luta da minha vida , porém surgiu um presidente fascista e uma pandemia pra me contrariar , eu tive mais certeza que a vida das pessoas é composta pelas suas lutas coletivas e as lutas individuais , as pessoas sempre sofrerão só que em grau , intensidade e em volume diferentes.

Datum

Maio de 2020

Mitwirkender

Eu , Andressa

Räumlicher Geltungsbereich

são paulo

Urheber

Andressa Gonzaga

Rechteinhaber

Ja

Rechte

CC BY-SA 4.0

This item was submitted on 2. Juni 2020 by [anonymous user] using the form “Leben in der Corona-Krise” on the site “Das Coronarchiv”: https://coronarchiv.geschichte.uni-hamburg.de/projector/s/coronarchiv

Click here to view the collected data.